Áustria: Relatório revela que os Cristãos são vítimas de discriminação na Europa e outras partes

Retirado e traduzido de dici.org

capa-austria

Agressões, intimidações, humilhações, profanações… A lista é longa e muito reveladora de um clima que, na Europa dos Cristãos, se degrada de ano para ano. É o que revela um relatório publicado pelo Observatório da Intolerância e Discriminação dos Cristãos na Europa. Esta ONG, recentemente criada em Viena d’Áustria, tem como objectivo ser «ajuda para criar uma sociedade mais respeitadora da liberdade religiosa.» É o que anunciou o Cardeal Peter Erdö, Presidente do Conselho das Conferências Episcopais da Europa (CCEE), em 30 de Setembro último, em Zagrebe, na oficialização da criação daquela organização. Assim, o espírito do relatório advoga em favor da igualdade de tratamento de todas as religiões na Europa.

Os autores calculam que diversas discriminações legais aparecem e penalizam os Cristãos no exercício de seus direitos. O relatório sublinha, assim, uma tendência para excluir dos empregos públicos as pessoas que exprimam e defendam os valores Cristãos. Numerosos casos concretos, relatados pela Imprensa ou por testemunhos diretos, foram avaliados: atentados contra a liberdade de consciência (juíz suspenso na Espanha por exprimir as suas convicções), atentados contra a liberdade de expressão (anulação da visita do Papa à Universidade La Sapienza de Itália), atentados contra a dimensão coletiva da liberdade religiosa (provocações em Nôtre-Dame de Paris por ativistas homossexuais), atentados contra o direito ao trabalho (conferencista de Oxford maltratado após a sua conversão ao Cristianismo), ou ainda atentados relacionados com a educação (especialmente no meio escolar)…

Chegou a acontecer, numa aldeia francesa, sublinham os especialistas, que um Presépio de Natal tenha sido proibido em nome do laicismo. A mídia também é atingida. Como nota Rádio Vaticano, comentando o relatório no seu site da Internet, «propagam preconceitos anti-Cristãos, de maneira explícita ou dissimulada. Os indiferentes começam a interrogar-se e a inquietar-se. O Observatório espera favorecer uma tomada de consciência, porque o problema é sério.» A tal ponto que difamações e insultos, atentados aos símbolos religiosos, profanações e atos de vandalismo de todo o gênero e agressões físicas não são raras na Bósnia, na Itália, na Turquia ou na Rússia. Não é preciso ir à China ou ao Paquistão para verificar que os Cristãos têm cada vez mais dificuldade em exprimir-se no espaço público. «Mesmo se ninguém fala disso, as profanações e atos de vandalismo contra os símbolos Cristãos são cada vez mais frequentes na Europa, podendo levantar protestos a construção de uma igreja», acrescenta ainda Rádio Vaticano. O relatório lembra, por fim, que a ideia de “cristianofobia” foi admitida há mais de um ano pela Organização para a Segurança e Cooperação Europeia (OSCE).

(Fontes : apic/ La Croix/Radio Vatican -DICI n°230 du 19/02/11)