O Cardeal Burke poderia falar de “cisma” em relação à FSSPX?

news-header-image

Fonte: DICI

No dia 15 de julho de 2017, o Cardeal Raymond Burke, Patrono da Ordem de Malta e ex-Presidente do Tribunal de Assinatura Apostólica, fez uma conferência em Medford, Oregon, nos Estados Unidos. Interrogado sobre a Fraternidade São Pio X, respondeu que, segundo ele, esta sociedade de sacerdotes está “em estado de cisma”, isso “desde que o falecido Mons. Marcel Lefebvre ordenou quatro bispos sem o mandato do Romano Pontífice. Portanto, não é legítimo assistir à Missa ou receber os sacramentos em uma igreja que está sob a jurisdição da Fraternidade São Pio X. “

Proveniente de um dos quatro cardeais signatários da Dubia sobre as passagens heterodoxas da Amoris lætitia, esta declaração, publicada na Internet por um blogueiro americano em 30 de setembro, é surpreendente em diversos aspectos.

O cardeal Burke, eminente canonista, se manifesta, sem dúvida, de forma jurídica, mas parece ignorar que, ainda que as sagrações episcopais de 1988 tenham merecido as sanções mais elevadas aos seus autores, nem os membros da Fraternidade Sacerdotal São Pio X, nem os fiéis que frequentam seus priorados, nunca foram declarados cismáticos.

Certamente, o prelado romano sabe que o Papa Bento XVI levantou, em 21 de janeiro de 2009, qualquer tipo de sanção a que os bispos da Fraternidade incorreram e, portanto, admite que os bispos da Fraternidade “não estão mais excomungados”, mas, segundo ele “não estão em plena comunhão com a Igreja Católica.” Esta “anomalia” lhe parece incompreensível, como o fato do Papa Francisco dar o poder ordinário de confessar a todos os sacerdotes da Fraternidade, e até mesmo reconhecê-los como testemunhas qualificadas da Igreja para os casamentos dos seus fiéis. Então, para declarar pura e simplesmente “em um estado de cisma”, há um passo que nenhum papa autorizou atravessar, mas que o Cardeal Burke cruza um pouco rápido demais.

Esta complexa realidade não se encaixa nos cânones do direito canônico, e tanto é verdade que é difícil avaliar a situação passada e presente com os olhos voltados somente ao CDC.

Para esclarecer a situação passada, vale a pena recordar os seguintes fatos:

Como pode ser visto no site da Casa Geral da Fraternidade São Pio X: “Atrás da questão do status canônico da Fraternidade está oculto o verdadeiro problema que a Igreja atravessa hoje. Desde o Concílio Vaticano II, tem havido um vento revolucionário que corrompe a fé, o culto e a moral. – Leia: A Fraternidade e Roma“.

A situação real que levou Lefebvre a desobedecer uma lei eclesiástica sem consumar um cisma é resumida em uma página acessível a todos, no mesmo site. – Leia: “As sagrações episcopais de 1988“.

Sobre a acusação de cisma, ele mesmo deve lembrar que “Mons. Lefebvre sempre reconheceu a autoridade do Papa. Consagrar um bispo sem um mandato pontifício seria um ato cismático se ele pretendesse conferir não só a plenitude do sacerdócio, mas um poder de jurisdição, uma autoridade sobre um rebanho particular. Somente o Papa, que tem jurisdição universal sobre toda a Igreja pode nomear um pastor para um rebanho e autorizá-lo a governar. Mas Mons. Lefebvre não desejava nada além da plenitude das ordens sagradas.

“O Cardeal Rosalio Castillo Lara, presidente da Pontifícia Comissão para a Interpretação Autêntica de Direito Canônico, declarou ao La Repubblica, em 07 de outubro de 1988, que as sagrações conferidas por Dom Lefebvre e Dom Castro Mayer não constituíam um cisma (“O simples fato de consagrar um bispo não é em si mesmo um ato cismático“).

“O decano da Faculdade de Direito Canônico do Instituto Católico de Paris, Pe. Patrick Valdrini, confirmou que” não é a consagração de um bispo que cria um cisma; o que consuma o cisma é conferir a este bispo a missão apostólica. “(Valores atuais , 4 de julho de 1988)

“O cardeal Dario Castrillon Hoyos, presidente da Pontifícia Comissão Ecclesia Dei, ao menos cinco vezes em entrevistas públicas (conf. 30 Giorni nº 9, 2005) afirmou que a Fraternindade São Pio X não está em uma situação de cisma formal. Ele declarou ainda que “os bispos, os sacerdotes e fiéis da Fraternidade São Pio X não são cismáticos” (Die Tagespost , 8 de fevereiro de 2007). ” – Leia: “Os Bispos da Fraternidade São Pio X “.

Para esclarecer a situação atual, vale lembrar os seguintes fatos:

Em 1988 e posteriormente, as comunidades tradicionais surgiram “em plena comunhão com a Igreja Católica”, de modo a não deixar à FSSPX, em particular, o direito exclusivo do Rito Romano. Fundadas graças à causa da condenação de D. Lefebvre, essas comunidades puderam se desenvolver, muitas vezes em concorrência com os priorados da Fraternidade, toleradas, mas não admitidas pelos bispos locais, com um objetivo claro de divisão das forças da Tradição. Algumas destas comunidades sentiram que tinham de construir sua legitimidade em oposição à FSSPX. Muitas vezes, as acusações de cisma ou desobediência provêm destes círculos ligados à Pontifícia Comissão Ecclesia Dei.

Como o cardeal Burke estava próximo dessas comunidades – o superior do Fraternidade São Pedro estava presente em sua conferência em 15 de julho – não é de surpreender que ele tivesse recorrido a esse vocabulário, supostamente para remover os fiéis das capelas e igrejas da Fraternidade.

Seria injusto apresentar esta declaração como uma garantia dada ao cardeal Burke em vista de sua reintegração ao Tribunal da Assinatura Apostólica. O respeito que a dignidade da cardinalidade inspira proíbe esse tipo de consideração, como ensina Santo Tomás de Aquino. Mas é uma pena que o alto prelado se entregue a esse tipo de argumentação. Ele está bem situado para constatar o caos em que a Igreja está mergulhada. E se ele endereça uma “correção fraterna” ao papa sobre Amoris lætitia, como ele disse pretender, ele saberá bem quem são os que apoiam seu passo e quem são os que se abstêm disso.

Na tempestade que se alastra, a Fraternidade São Pio X continua fiel à Igreja de sempre, à sua liturgia inalterada, e mais ainda ao seu ensinamento perene em matéria de fé e moral. Este é o primeiro dos deveres, como explicou Mons. Lefebvre em um sermão inédito, entregue em Veneza, em 7 de abril de 1980, que acaba de ser publicado pela FSSPX. – Leia Devemos manter fé nesta tempestade que atravessa a Igreja “.